top of page

CRIATURAS NOTÍVAGA(S) Nº 17 — 06/07/2022

Mais um conto de Carlos Palmito. Jéssica, a aprendiz de anjo saberá como agir no beco da aranha? O que o futuro lhe reserva? Leiam e comentem. Se não tiver tempo de ler, escute no Spotify.


Leia, Reflita, Comente!

https://media.istockphoto.com/




PARA PROTEGER E SERVIR


por Carlos Palmito


Parte 2 — No beco da aranha


Arco de luz, faúlhas incandescentes à distância; na colina, a antiga fábrica de papel arde, segundos antes desta libertação amotinada do fogo, existiu um estrondo que ecoou por toda a cidade.

Os demónios correm pela cidade, o espelho que nos separa da sua moradia estilhaçou-se, urra o vento, berram os morcegos, gritam as sirenes do carro-patrulha número cinco, seis, um.

Jéssica encolhe-se no banco de pendura, a olhar para o seu mestre, o tutor numa hierarquia gerida pelos anos de serviço, este guia a viatura num chiar de pneus, borracha, entra na avenida principal cortando caminho aqueles que precisam de ser protegidos, mesmo quando o não sabem.


— Samuel?


— Pega no intercomunicador, pergunta à central o que se passa — abrandou um pouco a velocidade para deixar um camião cisterna passar. — Parece a porra de um ataque nuclear.


A criatura de olhos negros demorou uns segundos até conseguir perceber o que era o intercomunicador, a adrenalina corria por todo o seu corpo, em conjunto com ansiedade, no ar, milhares de pirilampos dançavam, metade dos céus estava encoberto por nuvens de fumo denso.


— Central, daqui a Jéssica, o que aconteceu na fábrica de papel? — notava-se medo na voz, causado pela inexperiência, pelos anos de tranquilidade numa cidade de aparências.


— Daqui central, o incêndio na fábrica de papel causou um desmoronamento — entoação irritada, como uma professora que notou que o seu aluno esqueceu-se de algo. — Já chegaram ao beco indicado?


— Estamos perto — Jéssica não conseguia tirar os olhos das colunas de fumo alaranjado por biliões de pirilampos em forma de faúlhas, faunos negros que pretendem reduzir o universo a cinzas. — Não precisam de nós na fábrica?


A voz do lado de lá da comunicação móvel calou-se por segundos, ouvindo-se apenas uma inspiração prolongada.


— Sigam para o beco, carro cinco, seis, um — um clique, a comunicação morreu, como as estrelas no firmamento, sufocadas pela fumarada, as futuras cinzas de uma réstia de civilização.


Ela pousou o seu comunicador, aparelho estranho que nos permite falar com quem não está. (Será que se o sintonizarmos corretamente conseguiremos falar com quem já se foi?) Notou os olhos avelã do seu orientador colados em si.


— Diz?


Samuel sorriu para o anjo que lhe colocaram no carro, abriu pisca para a direita e parou o carro, desligou as sirenas e fixou as luzes no tejadilho.


— Jéssica, sempre que comunicares com a central, deves identificar o número do carro, e não o nome do agente que segue nele — interrompeu o discurso por um momento, passou com os dedos pelo seu bigode curto em reflexão. — Quanto muito, identificas o número do polícia, mas nunca o nome.


Tornou-se rubra a face da rapariga, pós-adolescente, novata saída da academia, tamanha a sua vergonha, quase tão grande quanto as nuvens de fuligem que a pouco e pouco começavam a esconder a lua, as estrelas, os elementos cósmicos, quiçá para lhes esconder a perdição.


— Desculpa.


— Não faz mal — do lado de fora ouvia-se vento, trazia-lhes odor de madeira e metais em ebulição, cheiros de uma cidade a arder. — Erros acontecem, eu fiz muitos.


Abriu a porta, Jéssica fez o mesmo, e saíram, a cabine telefónica encontrava-se perto, o fogo longe, os demónios no coração de cada habitante da decadência; Jéssica continuava abismada com os céus, hoje as estrelas eram outras, sentia a adrenalina a corroer o mais íntimo do seu ser.


Em passos rápidos chegaram à cabine, o auscultador estava tombado, quem a usou saiu a correr e esqueceu-se de o pousar, Samuel olhou em volta à procura de indícios do que houvera sucedido no local.


— Vamos, minha aprendiz de anjo — apontou para a entrada do beco. — Segundo a central algo aconteceu ali.


Ela seguiu-o, finalmente desviou a atenção dos céus, ambos perscrutaram o ambiente envolvente, sujidade, lama, dejetos humanos enfiados numa viela, dois contentores do lixo e ainda assim o beco estava atolado de imundície, desperdícios arremessados fora por seres cuja única função é consumir oxigénio, parasitas de Gaia.


A pouco e pouco aproximaram-se do primeiro contentor, nada lhes chamava a atenção naquela lixeira, qualquer vestígio existente estava camuflado pela espurcícia, mesmo na luz das suas lanternas.


A primeira coisa que captou o olhar castanho de Samuel foi uma poça escarlate, sangue abandonado, desprovido de corpo, a segunda foram uns vestígios de vidro.


— Realmente aconteceu aqui qualquer coisa.


Por seu lado, Jéssica apontou a lanterna para o contentor, seguia agora lentamente, com cuidado para não pisar possíveis provas do que quer que ali tivesse ocorrido, e com isso as contaminar, num telhado baixo, ali perto, um gato miou, da outra ponta ouviu-se o rosnar de um dragão.


Quando estava apenas a três passos de distância viu uma mão, uma coruja piou, a dois passos, viu o braço, alguns morcegos esvoaçaram perto, refugiados de um fogo em papel, um passo apenas e já via o corpo na perfeição.


Olhos vidrados no vazio, roupa ensanguentada, nas zonas baixas tinha um pedaço de vidro cravado, de onde o gargalo se destacava, como se o corpo fosse uma garrafa de vinho das mais azedas colheitas siderais.


Sentiu algo acre subir-lhe do estômago em direção à boca, escancarou os olhos em pânico, ao miar do gato juntou-se o uivar de um cão, na parede junto ao contentor estava uma aranha a tecer a sua teia de mentiras e deturpações.


— Jéssica! — era preocupação o sentimento embutido na voz.


Ela não respondeu, sentia ácido na garganta, correu para o canto oposto do contentor, caixão de um homem que em tempos idos tinha sido uma aranha, encostou-se à parede e vomitou, expeliu o cachorro-quente, sentiu o quente e ardente do gomitado.


— Jéssica? — a dona dos cabelos negros manteve-se em silêncio, excetuando o som do líquido a sair do seu interior.


Samuel dirigiu-se ao contentor de onde a sua aprendiz fugiu, lá dentro encontrou a razão da revolta estomacal dela, se o cadáver ali ficasse uns dias, certamente que as moscas se deleitariam com aquele pequeno aracnídeo.


— Central, daqui agente com número de identificação quatro, quatro, três, seis, cinco, escuto?


— Diga agente?


— Encontrei um cadáver escondido num contentor de lixo no beco das almas perdidas — esperou por resposta do lado de lá, na ausência continuou. — Aguardo instruções.


— Certo, isole o local e aguarde a chegada da equipa técnica.


— Tenho autorização para procurar indícios nas imediações?


Existiu um breve silêncio, o suficiente para se ouvir o vento em corrida na viela, trazendo com ele odores de jardins ausentes.


— Tem — ouviu-se primeiro estática, depois o clique do desligar da chamada.


— Jéssica, estás bem? — gostava da aprendiz, a parceria ainda era curta, mas sentia empatia para com ela, a neta que nunca teve.


Ela ergueu a cabeça a custo, amargava-lhe a boca, sentia a face enrubescer e um arrepio na derme.


— Sim — recuperou fôlego, sentindo nesse respirar o nauseabundo odor da bílis. — Nunca tinha visto um morto, desculpa.


Samuel riu perante o embaraço da sua pupila, no beco uma sombra felina saltou de um telhado para o outro, no outro lado da realidade existiam convites em primeira fila para contemplarem a atuação dos anjos de azul.


— Duvido que algum dia vás esquecer a tua primeira vez.


Ela gargalhou, o velho policia era astuto, sabia como aliviar as situações, que palavras colocar e quando as usar.


— Fica aqui, Jéssica, isola o perímetro — apontou para o fundo do beco. — Vou ver se existe algo por aqui que possa ajudar a investigação.


— Mas…


— Não tenhas medo, o morto não morde — uma gargalhada descomunal, enquanto se afastava com a lanterna a vasculhar todos os recantos do beco.


Jéssica correu até ao carro, o quepe voou-lhe da cabeça e os seus longos cabelos esvoaçaram na cidade, sobre a cidade.


Sob a mesma metrópole caminhava um bombeiro em direção a um vulto com uma rosa-branca.


Retirou a fita para isolar o local e voltou para junto do caixão de lixo humano, apanhando o chapéu no caminho.


Na outra ponta, Samuel incidia a sua luz sobre um desenho na parede ainda a escorrer tinta, por sua vez, Jéssica olhava para o rosto do corpo, franziu o sobrolho, conhecia as feições.


— Samuel — gritou, esquecendo-se de ser noite, olvidando-se do fato de ser uma polícia, e não uma adolescente vinda de um qualquer bar em companhia dos seus alcoolizados amigos.


Ele mirava o desenho, hipnotizado, um ser draconiano em azul numa parede moribunda.


Jéssica terminou de isolar o local e começou a calcorrear caminho em passo rápido na direção do seu mentor, o céu continuava laranja, os pirilampos esvoaçavam, o dragão observava o policia de lado de trás da sua realidade alternativa, os gigantescos olhos de uma criança fitavam a cidade.


— Samuel, sei quem é o morto — ele estava a guardar uma lata de spray no casaco, ela extasiada. — Não sei se é boa ou má notícia, mas tenho quase a certeza.


Os olhos avelã do velho polícia em quase reforma miraram-na em curiosidade.


— Lembras da tentativa de violação no jardim?


Levantou-se, ocultando o vulto no seu casaco.


— Sim.


— É ele! O gajo que está ali esquartejado é ele.


— Ele? — No fundo, sabia que ela o tinha visto guardar a lata.


— Sim, o tipo é igualzinho ao retrato robot, o violador.


— Tens a certeza?


— Pela alma do meu tio!


Voltaram para junto do contentor, ele sentia o olhar curioso dela espetado no seu casaco.


Na entrada do beco começaram a surgir os elementos da polícia técnica, um deles apressou-se para o dueto de mestre e aprendiz.


— Onde está o cadáver?


Samuel não respondeu, indicou o contentor que estava ladeado de fita amarela.


— Encontraram alguma coisa mais?


Jéssica, a aprendiz de anjo olhou para o seu instrutor, no céu o fumo começava a desaparecer, as estrelas a nascerem, pontos cintilantes no aveludado edredom de um Deus.


— Não — respondeu ela, na falta de palavras do seu tutor.


— Certo. Penso que já não sejam mais necessários aqui, agora eu e eles tomamos conta da ocorrência.


Ambos os patrulhas concordaram, começaram a caminhar em direção à sua carruagem para proteger e servir.


— Esperem! — estacaram, tornaram-se estátuas. — Aquela poça de vomitado ali?


Jéssica esboçou um sorriso tímido.


— Fui eu. Nunca tinha visto um cadáver tão perto.


O senhor policia técnica soltou uma gargalhada por detrás dos seus dentes amarelados.


— Podem ir então.


Entraram no carro, e iniciaram a marcha na avenida, em andamento lento.


— Diz, Jéssica — aguardou um segundo pela voz que não surgiu. — Sem medos, pergunta o que quiseres, vi o teu olhar atento de raposa.


— Porque ocultaste a lata?


Ele mirou-a com um observar desinibido, os faróis da viatura cinco, seis, um embateram num dragão que rosnava aos deuses notívagos.


— Sabes, pequena, existem segredos nesta metrópole longe do sol e do trópico pelos quais vale a pena arriscar a pele.




AUTOR

Carlos Palmito

22 visualizações5 comentários

Posts recentes

Ver tudo

5 Comments


sidneicapella
sidneicapella
Jul 06, 2022

Bravo! Aguardando a parte 3.

Like

Luiz Primati
Luiz Primati
Jul 06, 2022

Esse conto ficou muito legal. Recomendo o Podcast que ficou melhor ainda.

Like

Carlos Palmito
Carlos Palmito
Jul 06, 2022

Cá estamos nós na noite, no dia, na imaginação, cujos únicos limites são impostos apenas por nós, sem barreiras nem fronteiras.


A todos, o meu mais sincero obrigado.

Like

Stella Gaspar
Stella Gaspar
Jul 06, 2022

Lindo escrito, aguçando nossas imaginações.

Anjos vestidos de azul, esquartejamento... todo muito macabro e inteligentemente escrito! 🎭

Like
Carlos Palmito
Carlos Palmito
Jul 06, 2022
Replying to

Obrigado pela leitura e comentário, Stella Maris

Like
bottom of page