top of page

REFLEXÕES Nº 95 — 17/12/2023


Imagem gerada com IA MidJourney


 

AUTOR AKIRA ORDINE


AKIRA ORDINE é um escritor, poeta e músico carioca. Desde cedo apaixonado pela literatura, utiliza a arte como espaço de luta e refúgio, colocando bastante de si em tudo o que escreve. Tem muitos livros, vários deles, verdadeiros amigos.

 

AS ALEGRIAS DA GRATIDÃO


Definitivamente, é lindo ser grato. E principalmente, é mais lindo ainda ter motivos para isso, como eu essa semana. Ser recebido por colegas escritores da mais alta qualidade, de forma extremamente cordial, em um evento feito de escritores para escritores, é algo sem precedentes para mim. Por isso, sou muito grato à toda Valleti Books.


E mais ainda, sou grato por estar em um lugar no qual me sinto à vontade para comentar, discutir e expor a minha visão, minha literatura, sem medo de ser feliz. Talvez se o mundo tivesse mais pessoas sendo gratas e ressaltando sua gratidão diante da vida, as coisas parecessem mais felizes para toda a sociedade.


 

AUTORA SIMONE GONÇALVES


Simone Gonçalves, poetisa/escritora. Colaboradora no Blog da @valletibooks e presidente da Revista Cronópolis, sendo uma das organizadoras da Copa de Poesias. Lançou seu primeiro livro nesse ano de 2022: POESIAS AO LUAR - Confissões para a lua.

 

FELIZ ANIVERSÁRIO, MÃE


De tudo que poderia em palavras

Expressar sobre ela...seria pouco ou nada

De tudo que existe nesse mundo

Que tens força e garra

Ao se comparar com ela...não chega perto

Ela é a rosa que posso dizer que floresce

Todos os dias no jardim das nossas vidas

Se renova à cada nascer do sol

À cada chuva que banha o quintal de casa

À cada sorriso que encanta os olhares

Que atentos se prendem à sua sabedoria

Ensinou sobre o viver nesse mundo

E ainda hoje revela segredos

Mostrando como não se perder no caminho

A luz que guiaste cada filho

O abraço que envolveu no aconchego do amor

Desse amor que só em teu coração

Poderia existir

A mulher que me deu a vida

Me fazendo ser aos poucos

O que me tornei hoje

Mas sei que essa missão é diária

Porque sinto à cada amanhecer

Como um beijo de Deus no meu rosto

Sua voz me dando sua bênção

Feito raio de sol penetrando em meu coração

Está longe mas por esse amor maternal

Está aqui ao meu lado

Sempre...

Ah! Hoje é seu aniversário mãe

Vou aí te abraçar tá

Feliz aniversário mãe!


 

AUTORA ALESSANDRA VALLE

IG: @alessandravalle_escritora


Alessandra Valle é escritora para infância e teve seu primeiro livro publicado em 2021 - A MENINA BEL E O GATO GRATO - o qual teve mais de 200 downloads e 400 livros físicos distribuídos pelo Brasil. Com foco no autoconhecimento, a escritora busca em suas histórias a identificação dos personagens com os leitores e os leva a refletir sobre suas condutas visando o despertar de virtudes na consciência.

 

COSTUREIROS


Somos costureiros,

Que com o passar do tempo,

Alinhavamos muitas histórias,

Costuramos laços afetivos,

Cosemos botões nas dores,

E lantejoulas nas alegrias,

Ajustamos aqui, ali,

Fazendo a bainha necessária,

O molde não nos serve,

Somos únicos,

Bordamos cada sentimento com sutileza,

Deixando aparecer a mais bela forma,

Até que confeccionamos a colcha da nossa vida,

E nela nos aconchegamos.


 

AUTORA MIGUELA RABELO


Miguela Rabelo escritora de crônicas, contos e poemas, com seu primeiro livro solo de poemas: "Estações". Também é mãe atípica e professora da Educação Especial no município de Uberlândia-mg.

 

METÁFORAS DO BEIJA-FLOR


A vida é um emaranhado de situações que nos conduzem por caminhos diversos, que às vezes nos fazem perder da nossa rota inicial… nos fazendo pegar atalhos e recalcular o trajeto. E onde muitas vezes entramos em uma ilusão de grandes planos ao longo da vida… não percebendo de fato que nem do amanhã somos donos. E isso é algo muito insano de perceber, pois de que adianta planejar e tentar controlar tudo metodicamente… se as situações externas nem sempre estão sob nosso controle?

Eu tinha uma mania de tentar controlar tudo… situações e temores que poderiam ser reais ou ilusórios que minha mente ansiosa plantava e regava em minhas emoções, não percebendo, ironicamente, que nem minha própria respiração sabia controlar. Sentir tudo isso é muito doloroso e daninho ao nosso desenvolvimento.

E assim, aquela máxima estoica nunca se fez tão real: não podemos controlar nada externo, exceto nossa reação diante dos fatos ocorridos. E ela é tão verossímil que chega a ser palpável…

E desta forma, de pouco em pouco… bem lentamente estou absorvendo esta máxima e aplicando-a em minha vida. Mas sei que existem dias em que patino, em pleno verão ou às vezes tomo um caldo no mar da ansiedade e ilusão…

Porém, mesmo com a visão turva, ando percebendo quando é miragem… porém, para chegar nesse ponto, um deserto inteiro atravessei e ainda atravesso, caminhando ou às vezes, tropeçando… porém, o essencial é nunca parar de caminhar.

No entanto, ando entendendo que a vida de fato é brevemente preciosa para nos perdermos em cobranças infundadas, insalubres e para deixar de fazer o que realmente palpita em nossos corações, pois não podemos deixar de viver o agora, depositando nossos desejos do presente no futuro.

Porém, existem desejos momentâneos, que sabemos que são só um frisson de verão e sabemos de fato que são passageiros. E existem aqueles outros genuínos, que não entendemos o porquê… todavia, perturbam nossa alma, provocam insônia, alteram os reflexos, nos deixando desatentos… por esses, às vezes arriscamos até o que não temos… pois sabemos que realmente valerá a pena.

Se é equivocado ou não… saberemos com o tempo e com o arriscar do “palito”. No entanto, no momento, só sei que nosso tempo é demasiadamente curto para viver sem sentir e amar… ainda mais quando às vezes vivemos em realidades e universos paralelos… Porém, a realidade é clara e a física é objetiva: as paralelas infelizmente nunca convergem… por isso, os sonhos, a arte e a literatura nos permitem realizar o que só na fantasia poderá existir.

E por isso, os sonhos genuínos são uma forma de dar vazão aos desejos que estão para além da realidade e assim o projeto Beija-flor nasceu como um sonho que desejei ardentemente realizar e deixar uma mensagem… justamente a mesma que me inspirou na escrita inicial deste texto: não podemos controlar tudo… nem a vida, o amor e muito menos um singelo e precioso Beija-flor.

Pois ele, com sua graça e generosidade, nos ensina a ser leveza, paz, amor e ser como ele: um precioso beija-flor na vida uns dos outros, polinizando afetos e momentos de alegria no dia a dia, mesmo em meio aos espinhos naturais, presentes neste jardim encantador que é a vida.


 

AUTORA ROBERTA PEREIRA


Roberta M F Pereira nasceu em 1986 e cresceu na cidade de Brumado, interior da Bahia. É Historiadora, Tradutora, Intérprete de Libras, Professora e Poetisa. Desde bem jovem já demonstrava seu amor e dedicação a escrita, especialmente poesias. Tem suas poesias publicadas em diversas coletâneas e no site Recanto das Letras com o pseudônimo, Betina. É autora do livro “Verdades de um Coração Ferido”.

 

PODEMOS SENTIR RAIVA?


A alegria é um sentimento muito importante, no entanto, a raiva também deve ter o seu lugar quando se trata das emoções. Mas como assim? A questão, é que quando a emoção é coerente com a situação, significa que é uma emoção que necessita ser sentida.

 

Imagine se você sofresse uma grande injustiça e não sentisse raiva? Isso poderia ser bastante perigoso, pois você poderia permitir que outras pessoas continuem causando mal a você ou até mesmo as pessoas que você ama.


Nesse sentido, não seria lógico você sentir raiva da situação e se afastar? Não seria coerente permitir que a raiva nesse momento te protegesse de sofrer um abuso, assédio ou de ser manipulada por pessoas egoístas?

 

Bem, eu não estou dizendo para você usar a raiva como desculpa para ferir outras pessoas por meio de palavras ou ações, pois isso, não seria uma emoção coerente.

A função coerente de sentir raiva mediante uma situação de assédio, por exemplo, seria você se afastar da pessoa ou da situação, se protegendo  e denunciando o agressor se for o caso.

 

Então, podemos sim sentir raiva de coisas ou situações que nos machucam ou podem machucar pessoas que amamos, no entanto, sentir raiva em excesso, perde sua função de proteção e ao invés de proteger, passaremos a ser o agressor.

 

Qualquer emoção em excesso, não é benéfico para o ser humano. Sentir alegria em excesso, por exemplo, poderia nos colocar em situações onde não teríamos empatia pelas pessoas, mas isso é papo para outra reflexão!

 

A questão aqui é: precisamos sentir todas as emoções, quando esta, tem uma função importante no nosso corpo.


Tudo que sentimos em excesso ou que está ausente, não é coerente e não tem equilíbrio.


 

18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page