top of page

REFLEXÕES Nº 73 — 23/07/2023


Imagem gerada com IA MidJourney


 

AUTORA MIGUELA RABELO


Miguela Rabelo escritora de crônicas, contos e poemas, com seu primeiro livro solo de poemas: "Estações". Também é mãe atípica e professora da Educação Especial no município de Uberlândia-mg.

 

REENCONTRO PEROLAR


Quando nossos olhares se cruzaram, sabia que seria amor a primeira vista. Daqueles avassaladores que nos reviram a alma e entorpecem a carne, transbordando por todas nossas arestas.


Mas esse encontro não foi meramente casual... foi algo planejado, por muitos anos aguardado e por diversas vezes adiado, mas que no entanto não fora inédito...


Quando nos conhecemos pela primeira vez, era apenas uma debutante, que pouco antes, ainda brincava de bonecas e sonhava com o príncipe encantado.


E assim, quando o conheci me desmanchei diante sua beleza, força e potência, me entregando de corpo e alma a penetrar em todas minhas entranhas, perdendo-me no azul dos teus olhos que esverdeados oscilavam, enquanto entorpecida me perdia em admirá-lo.


Quando nos distanciávamos e reaproximávamos, por diversos momentos distintos... sempre eram um misto de sensações que iam do frisson inicial a melancolia da partida.


Porém, a vida foi passando e distraídos com a paisagem interna e externa... fomos deixando ela nos arrastar, imersos a tantas possibilidades que inimaginávamos poder passar...


No entanto, neste sacolejar que ela nos conduziu, o tempo e as amarguras foram passando a mão em nós... levando nossa vitalidade, sonhos, desejos e paixões.


E assim, quando percebi, o tempo havia passado e quase duas décadas se foram... e enfim, depois de algumas tentativas frustradas, o reencontro aconteceu, permeado de saudades, estramentos e lacunas marinadas em fantasias mil...


Então nos olhamos profundamente... me perdendo novamente no teu olhar matreiro, seduzindo-me a envolver na tua lábia, beijando-me com tua espuma branca a banhar meus pés, refrescando meu corpo de pouco a pouco... até sentir teu sabor salgado por inteiro, me revirando mais um vez do avesso...


Mas devagarinho, conduziu a me sentar na beirada da orla e sentir a areia a empanar minha pele, dos pés a cabeça, seduzindo-me por tuas ondas a serem penetrada com toda força e desejo, matando toda sede, curando todas feridas que a tempos estavam a cicatrizar... me desvendando pouco a pouco, até me entregar em teus braços e assim, me perder entre devaneios do que imaginava ser... Mas que fatidicamente não era.


Porque, dessas coisas do coração, nem sempre temos razão naquilo que sentimos ou acreditamos ser. E por isso, muitas rasteiras e chacoalhadas me deu, talvez para me acordar e mostrar, que os sonhos não são o "Mar de rosas" que idealizamos e que sonhar com os pés no chão é o caminhar mais seguro na conquista dos nossos ideais.


E por isso, depois de tantos tropeços, palmadas e caldos... aos poucos fui entendendo que quem dá as cartas sempre é ele é a vida, não adiantando por isso nos rebelar ou enfreta-los.


Entendendo que a resposta desta equação talvez seja perceber como eles nos conduzem, contemplando o tempo e os ventos certos, não para desafiar seu poder, mas sim, observar sua dinâmica, acompanhar suas marés e aprendermos a surfar e apreciar suas ondas que nem sempre serão deslizantes e favoráveis ao surf e a imersão de profundos mergulhos a nos absorver. No entanto, são necessários para degustar catarticamente do que também é indigesto e sabiamente aprender a ser ostra e ressignificar o hospedeiro inóspito em joia preciosa a abrilhantar nossa exposição diante o palco da vida "que é bonita, é bonita e é bonita.


 

AUTORA SIMONE GONÇALVES


Simone Gonçalves, poetisa/escritora. Colaboradora no Blog da @valletibooks e presidente da Revista Cronópolis, sendo uma das organizadoras da Copa de Poesias. Lançou seu primeiro livro nesse ano de 2022: POESIAS AO LUAR - Confissões para a lua.

 

DETALHES QUE FAZEM DIFERENÇA


Meu caminho se divide...

Me sinto levada por dois lados,

Sou privilegiada.

Montanhas...

Caminho de asfalto.

Bichos soltos no pasto da fazenda...

Carros ultrapassam, alguns por atraso.

Pássaros cantam, anunciam um novo dia.

Homens limpam os canteiros, preparando o cenário para os romeiros.

Eu vou sonhando acordada no banco do passageiro, me vendo naquelas montanhas entrecobertas pelas nuvens.

É tudo lindo e perfeito!

Me faz bem e assim sinto meu dia começando abençoado.

Sei que à tardinha farei o mesmo caminho de volta para casa... tudo se repetirá.

O sol indo descansar, os pássaros se preparando para o merecido repouso.

Os peregrinos já chegaram ao Santuário, pois já estavam próximos da casa da Mãe.

O dia se findará e tudo ficará tranquilo...

Será?

 

AUTORA BETÂNIA PEREIRA


Betânia Pereira, historiadora / enfermeira, colunista na Revista The Bard. Participou de várias antologias poéticas. Escreve desde que aprendeu a escrever. Escreve poesias, prosas, textos de autoajuda, reflexões. Escreve sobre todas as pessoas que rondam as vidas que viveu e as que ainda viverá.

 

QUEM IRÁ ME ACOLHER?


Essa é uma reflexão sobre o peso incutido socialmente e emocionalmente de envelhecer sem filhos e companheiros visíveis. Reflexão sobre a cobrança e a pressão social, emocional e afetiva que sofremos ao longo de nossa passagem por aqui. Um momento para refletir o peso de nossas palavras e pensamentos sobre o outro. Iniciemos:


Quem irá me acolher quando eu desejar abraços e colo, um instante para falar de minhas dores e mazelas, que ouvidos irão me ouvir. Quando meu corpo perder as forças, quem irá carregá-lo, quem servirá de apoio para que a vida seja menos dolorida.


Quando nem eu mesma souber quem sou, quem irá me direcionar a colher a boca, saciara minha sede e adivinhar minhas vontades.


Quando eu não tiver mais traços e tudo em mim se constituir em marcas, quem irá falar da beleza contida em mim.


Quem irá me levar para dançar uma noite inteira, beber todos os goles possíveis, sorrir até embriagar, e me colocar na cama, dizendo que me ama até o infinito.


Quem me dirá para não ter medo, quem estará segurando minha mão para atravessar a escuridão que se aproxima; que o quarto vazio será preenchido por amor, que me abraçará, fará sobreviver e me levará café na cama.


Quem irá ser minha fortaleza, meu apoio no meio de rua estreita para que o trânsito vazio e caótico não me atinge, que eu não me torne invisível diante do vai e vem frenético.


Quem me ensinará que a ganância, a raiva é transitória e que só vale a pena aquilo que nos aproxima do coração de Deus. Quem me ajudará a compreender que maturidade nada tem a ver com velhice, que é escolha. Quem ira me dizer que no mundo nada é eterno, tudo é passageiro e imprevisível. Que amanha é sempre uma incerteza, que necessitamos mesmo viver o hoje.


 

AUTORA ALESSANDRA VALLE

IG: @alessandravalle_escritora


Alessandra Valle é escritora para infância e teve seu primeiro livro publicado em 2021 - A MENINA BEL E O GATO GRATO - o qual teve mais de 200 downloads e 400 livros físicos distribuídos pelo Brasil. Com foco no autoconhecimento, a escritora busca em suas histórias a identificação dos personagens com os leitores e os leva a refletir sobre suas condutas visando o despertar de virtudes na consciência.

 

MEMÓRIAS AFETIVAS EM TONS DE ROSA


Amanheceu nesta quinta-feira, dia 20 de julho de 2023 e percebi que quase tudo no mundo digital estava cor-de-rosa.


A paleta de cores usada pelos perfis nas redes sociais mostrava uma infinidade de tons de rosa que não sabia que existiam.


Todos estavam mencionando a Barbie como referência nas publicações e vídeos, pois o filme da boneca “mais velha do mundo ocidental” estreou nas telas do cinema.


Por coincidência, neste dia, eu e meu filho fomos ao cinema e nos deparamos com cenários, bexigas e tapetes cor-de-rosa enfeitando a bilheteria.


Ao comprarmos a tradicional a pipoca percebemos que o milho também aderiu ao tom através do corante comestível e passou a ser servida num grande balde na cor rosa pink.


Rosa da cabeça aos pés, vi diversas pessoas vestidas no estilo “barbiecore”. Vestidos, saias, blusas, calças, casacos e os mais variados acessórios cobriam ou descobriam os corpos das pessoas que desejavam assistir ao filme.


Apreciei o desfile de moda e percebi que a cor mostra o quanto é forte e versátil e que vai muito além de tom romântico a que muitas vezes é associado.


Cada um buscando através de seu desejo de imagem e estilo pessoal mostrar feminilidade, positividade, doçura, delicadeza, enquanto outros paixão, ousadia e sensualidade.


Rosa pink, chiclete, quartzo ou coral, não importa, percebi cada um imprimiu sua vontade e deixou o look com sua cara, elevando a autoestima.


Uma fila de pessoas, que meus olhos não conseguiam ver onde terminava, estavam à espera de poder entrar numa caixa de papelão do tamanho humano, igual à caixa onde a boneca é comercializada e logo concluí: horas destinadas à foto para viralizar nas redes sociais.


Mas, como toda tendência é passageira, logo deixaremos de questionar quanto tempo se gasta na fila por uma foto que nos traga novos seguidores ou muitas curtidas, se usar rosa é só para meninas, se a Barbie é atemporal e atende às diversidades, ou criticar os responsáveis que levam as crianças para assistir ao filme com classificação indicativa de doze anos.


Em verdade, vi adultos saudosos, acessando lembranças afetivas, trazendo alegrias e o desejo de voltarem a fazer parte daquele mundo cor-de-rosa.


 

40 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page