top of page

REFLEXÕES Nº 120 — 09/06/2024

Máquina de escrever antiga
Imagem criada com a ferramenta de IA Midjourney

 

AUTOR LUIZ PRIMATI


LUIZ PRIMATI é escritor de vários gêneros literários, no entanto, seu primeiro livro foi infantil: "REVOLUÇÃO NA MATA", publicado pela Amazon/2018. Depois escreveu romances, crônicas e contos. Hoje é editor na Valleti Books. Em março lançou seu livro de Prosas Poéticas, "Melancolias Outonais" e o romance de suspense "Peter manda lembranças do paraíso" estará disponível em julho de 2024.

 

A FRÁGIL E INOCENTE FLOR


No jardim das emoções, uma pequena flor, frágil e indefesa, foi semeada com amor. Seus primeiros dias foram nutridos pelo solo generoso, banhados pela água da vida, e ela cresceu, esbelta e formosa. Suas raízes fincaram-se firmemente no chão, e suas pétalas desabrocharam em um espetáculo de cores, encantando todos ao redor com seu perfume doce e delicado.


Mas o tempo, implacável em sua marcha, trouxe consigo novas sementes, lançadas ao lado da flor. O vento frio chegou, e o orvalho da noite cobriu essas sementes, ameaçando-as com a sombra da morte. Contudo, a flor, com seu coração generoso, não permitiu que isso acontecesse. Com todas as suas forças, envolveu as sementes em seu calor, protegendo-as das tempestades e das garras dos predadores.


E assim, a flor lutou bravamente, seu amor incondicional nutrindo as pequenas sementes até que uma delas emergisse como uma majestosa planta. O crescimento foi rápido, quase um piscar de olhos, e quando a flor percebeu, havia permitido que uma erva daninha crescesse ao seu lado.


Numa noite serena, onde o jardim exalava seu aroma mais puro, a erva daninha, agora forte e vigorosa, enlaçou a flor com um abraço traiçoeiro, selando seu destino com o beijo gelado da morte.


Esta flor, tão dedicada e amorosa, é o símbolo das mães, que protegem e nutrem seus filhos com um amor sem limites. A erva daninha, por outro lado, representa o filho ingrato, que, ao crescer, esquece-se das raízes que o sustentaram, retribuindo com ingratidão, desprezo e palavras que dilaceram o coração materno.


No entanto, como nos ensinou o sábio Sêneca, devemos agir sem esperar nada em troca. Assim, preparamos nossos corações para as tempestades da vida, emergindo mais fortes e resilientes. Reflita sobre isso: o verdadeiro amor é aquele que se dá sem esperar retorno, porque em sua essência, ele já é uma recompensa suficiente.


 

AUTORA SIMONE GONÇALVES


SIMONE GONÇALVES, poetisa e escritora. Colaboradora no Blog da @valletibooks e presidente da Revista Cronópolis, sendo uma das organizadoras da Copa de Poesias. Lançou seu primeiro livro nesse ano de 2022: POESIAS AO LUAR - Confissões para a lua.

 

A BELEZA DAS MONTANHAS


Todos os dias

Posso contemplar

Uma rara beleza

Que pelas voltas que me dá

Me enche de uma alegria sem igual

Um conjunto de montanhas

Cada qual indica um lugar

Tenho a Serra da Mantiqueira

Junto da Serra do Mar

Um misto de preciosidade

Que me eleva a sonhar

Seja em qualquer hora

Uma perfeição divina

Onde elevo meus pensamentos

Em busca de lugares escondidos

Entre uma cativante e densa mata

O ar revigorante toma conta

Na delicadeza de cada manhã

Que desperta sob o canto dos pássaros

E nesse encontro fascinante

Me sinto renascendo

No meu próprio quintal

Rodeado pela beleza natural

Das mais lindas montanhas desse mundo


 

AUTORA ZÉLIA OLIVEIRA


ZÉLIA OLIVEIRA é natural de Fortuna/MA, reside em Caxias-MA, desde os 6 anos. É escritora, poetisa, antologista. Pós-graduada em Língua Portuguesa, pela Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. Professora da rede pública municipal e estadual. Membro Imortal da Academia Interamericana de Escritores (cadeira 12, patronesse Jane Austen). No coração de Zélia, a poesia ocupa um lugar especial, gosta de escrever, afinal, a poesia traz leveza à vida. Publica no Recanto das Letras, participa com frequência de antologias poéticas, coletâneas, feiras e eventos literários. É organizadora e coautora do livro inspirador "Poetizando na Escola Raimunda Barbosa". Coautora do livro “Versificando a Vida”.

 

IMPRUDÊNCIA


É perigoso dirigir

É perigoso trafegar,

Muitos não têm respeito pela vida.

Andam a esmo, não estão nem aí

Tiram a vida de quem deseja prosseguir.


Já saem de casa atrasados

Com pressa para chegar,

Dirigem de qualquer jeito,

Podendo uma tragédia causar,

Pois numa fração de segundo

Tudo pode mudar.


Muitos motoristas imprudentes,

Ultrapassagem arriscada,

Velocidade excessiva,

Celular na mão.

Qualquer distração pode ser fatal.


Evite a ingestão de bebidas alcoólicas,

Pois álcool e direção

Pode resultar em colisão.

Quanta barbárie no trânsito!

O motorista é imprudente,

Chateia-se

E ainda quer ter razão.

A vítima prefere calar

Para apaziguar a situação.


Quanta loucura no trânsito,

Pedestres não são respeitados.

Mesmo andando na faixa

Ainda são atropelados.


Seu carro foi corretamente estacionado.

Para sua surpresa, ao retornar,

Você o encontra amassado.


Até mesmo em cidade pequena

É arriscado transitar,

As leis de trânsito não são obedecidas

E vidas são extinguidas.


Vamos conscientizar-nos

Ter amor à própria vida,

Respeitar a vida do próximo.

Viver é uma dádiva

Que deve ser prezada.


 

AUTORA STELLA GASPAR


STELLA GASPAR é natural de João Pessoa - Paraíba. Pedagoga. Professora adjunta da Universidade Federal da Paraíba do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia. Mestre em Educação. Doutora em Educação. Pós-doutorado em Educação. Escritora e poetisa. Autora do livro “Um amor em poesias como uma Flor de Lótus”. Autora de livros Técnicos e Didáticos na área das Ciências Humanas. Coautora de várias Antologias. Colunista do Blog da Editora Valleti Books. Colunista da Revista Internacional The Bard. Apaixonada pelas letras e livros encontrou na poesia uma forma de expressar sentimentos. A força do amor e as flores são suas grandes inspirações.

 

A LIÇÃO DO BAMBU CHINÊS


“Não há que ser forte, há que ser flexível.” (Provérbio chinês)


“Porque ele é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano da sequidão, não se perturba, nem deixa de dar fruto.” (Jeremias 12.2)


Espero que você se identifique e aproveite esta mensagem, tão bela e possível de ser vivenciada no seu dia a dia. O bambu-chinês é uma planta verde, alta, simples e resistente, que balança com o vento. Mas, com a sua flexibilidade, mesmo envergado, curvado, não se quebra, mostrando-nos que o nosso movimento de razão e emoção nos deixa em contato com o nosso “eu singular” em perfeito sincronismo no tempo/espaço.


“A Lição do Bambu-Chinês” propõe meditações associadas a revisitar nossos percursos trilhados, na nossa história de vida. Dessa maneira, nosso entendimento está na direção de favorecer a nossa autodeterminação, à aprendizagem de novas estratégias de superação, reforçar a autoestima e autoconfiança, ampliando o sentido de capacidade cognitiva, social e emocional.


Importante refletir: as dificuldades que a vida nos apresenta têm sempre um caráter educativo, trazendo ressignificações e luminosidades no prazer de aprender a olhar, com um olhar sistêmico. Nossos limites de compreensão precisam estar sempre abertos para descobrirmos nosso tempo de gestação, para germinarmos sementes de força, fé e superação nas nossas vidas.


A Metáfora da Lição do Bambu-Chinês


Assim como tantos exemplos na natureza, essa metáfora nos faz entender como muitas coisas, tanto na nossa vida pessoal quanto profissional, podem ter essa mesma dinâmica. Você planta a semente do bambu-chinês e, durante cinco anos, não vê nada, absolutamente nada, nenhum resultado. Tudo indicaria que o plantio não deu certo, que você pode desistir. Mas você continua seu trabalho, a cada dia, arando, cuidando e regando, e acima de tudo acreditando que vai conseguir.


A solidez do arbusto está se formando nas suas raízes, debaixo do solo, em um lugar onde você não consegue enxergar nenhum progresso. De forma silenciosa e invisível, a terra germina. Assim como a planta se desenvolve subterraneamente, imperceptível, dentro da terra, dentro de você, um grande exercício de paciência e persistência cresce a cada dia. Mesmo sem ter nada que traga esperança, você sente que precisa esperar e continuar seu trabalho. Esse é o grande desafio que você vai enfrentar: continuar com empenho, investindo seu tempo e esforço em algo que não aparece. De repente, a recompensa, o contentamento, a humidade dando vibrações de vida interior.


O bambu-chinês, passado o tempo, cresce subitamente em grandes proporções, atingindo alturas inesperadas. Cada vez que na sua vida as coisas parecerem paradas, estagnadas, lembre-se de continuar a cuidar do que você plantou. Nunca desista. Os sonhos demoram, não se mostram, mas germinam, crescem e nos surpreendem.


Citamos aqui as 11 lições do bambu-chinês, não como um receituário, mas como sugestões, contribuições para um amplo e flexível tempo de reflexões e esforços e possibilidades de adquirir experiências que provoquem sentimentos agradáveis ao nosso estilo de vida, ao nosso desenvolvimento emocional saudável.


  1. O que parece fraco, pode ser muito forte

  2. Curve-se sem quebrar

  3. Tenha raízes fortes, mas seja flexível

  4. Tenha paciência

  5. Esteja sempre pronto

  6. Encontre a sabedoria, mesmo no vazio

  7. Comprometa-se com o seu desenvolvimento

  8. Saiba valorizar suas relações

  9. Tenha simplicidade

  10. Sempre se reerga

  11. Desenvolva sua inteligência emocional


“A única forma de chegar ao impossível é acreditar que é possível.” (Lewis Carroll, in Alice no País das Maravilhas)


Muitos são os mergulhos nas nossas aventuras humanas, mas quando encontramos o elo da esperança, luzes fluem nas nossas vidas. Vamos acreditar na mística de Dionísio, o deus das sementes que eclodem, nos ocultos que desejam luz, o deus da sombra mais profunda que dança em nossas almas. Vale a pena o encontro com nossos sentimentos, vendo a totalidade da própria existência!


 

AUTORA LUCÉLIA SANTOS


LUCÉLIA SANTOS, natural de Itabuna-Bahia, escritora, poetisa, cronista e contista e antologista. Escreve desde os 13 anos. É autora do livro "O Amor vai te abraçar" e coautora em diversas coletâneas poéticas. Seu ponto forte na escrita é falar de amor e escreve poemas e minicontos infantis.

 

INSÔNIA


Neste quarto escuro

A Insônia a me despertar

Em uma noite longa mergulho

Em pensamentos a me atormentar


Que extrema agonia

Adormecer é o meu desejo

Conto os segundos para o dia

Ansiedade e desespero


Quem entende este momento

Há de saber o quanto sofro

Agora acelera os batimentos

Do meu coração ansioso.


 

AUTORA JOANA PEREIRA


O meu nome é JOANA PEREIRA e sou autora no blog "Tem juízo, Joana!". Nasci em Lisboa e segundo as estrelas, sou Leão - ascendente Touro. A minha identidade atravessa cores, ritmos, dança, música e palavras. Gosto de ler e de escrever, acreditando ser na escrita que me torno mais consciente. Numa voz firme e rebelde escrevo entre o certo e o errado, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

 

MÉRITO


Há o silêncio das madrugadas não dormidas,

Há uma força invisível que move os despertares e os dias corridos,

Há uma mente cansada que finge raciocinar, mesmo adormecida,

Ha uma batalha vencida, sem guarida, mas o caminhar no trilho que parece certo.

Não há aplausos, mesmo em esforço e glória.

Existem detalhes escondidos e a vitória num coração que não desiste.

Despida de vaidades, sustento-me no propósito, na melodia suave de uma alma que se alegra no simples ato de fazer.

Cada passo, mesmo o mais anémico, tem a força de mil homens e os sonhos terreno fértil.


 

AUTOR JOSÉ JUCKA SOULZ


JOSÉ JUCA P SOUZA, professor, ator, psicopedagogo, analista de sistema, ambos por formação acadêmica… Desde pequeno imbuído nas artes, com o desenho. Como profissional, agente administrativo no Ministério da Agricultura, técnico em edificações na Companhia Energética de Brasília. Assim segue, vendedor de tudo na infância (“triste realidade”), almoxarife, gerente lojista… Em seguida, veio o teatro, com poucas temporadas, lecionou artes na escola pública do DF, estando até hoje, trabalhando com informática, afastado de sala de aula… Embora escreva desde criança, com textos engavetados… Se reconhece poeta em um concurso para novos poetas, em 2019, classificado e publicado em uma determinada editora. Hoje providencia seu primeiro livro.

 

DISCERNIMENTO


Enobrece em meu silêncio

Sentimentos hora sepultados

A exumação exala cônscio

E a razão clama refutados

 

Na memória o aroma pungente

Que abateu casto coração

Sob uma couraça ávida e insurgente

e declina ao olhar sob prostração

 

Ancorado ao tempo transcorrido

o silêncio tende a reinar outrora

A memória tende a reger fluido

Sentimentos que a terra ancora

 

No arder a emoção entorpece

Emudece a solitude vívida

Coroa reinado, cálido permanece

Por hora célere há que contida


 

23 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Belos, relaxantes e reflexivos. Ah, como em cada texto, abre-se o desejo de abrigar-nos nas letras e palavras dos maravilhosos autores desse, belo caderno!📕

Like
bottom of page