top of page

ESTÓRIAS DO VALLETINHO Nº 9 — 24/09/2022


A Valleti Kids tem a honra de apresentar a nona edição do caderno ESTÓRIAS DO VALLETINHO.


A colunista Alessandra Valle, apresenta contos para crianças, jovens e famílias.


Querem conhecer a infância de mais uma personalidade com dom inato? O conto de Alessandra Valle vai apresentar BRUNO, menino que desenvolveu o dom pela arte da tesoura.


Vamos nos encantar com as ESTÓRIAS DO VALLETINHO desta edição.


Mães, pais, responsáveis e educadores encontrarão boas estórias para divertir, educar e entreter a criançada.


Aos sábados, uma novidade da Valleti Kids.


Alessandra Valle

 

AUTORA ALESSANDRA VALLE


Alessandra Valle é escritora para infância e teve seu primeiro livro publicado em 2021 — A MENINA BEL E O GATO GRATO — o qual teve mais de 200 downloads e 400 livros físicos distribuídos pelo Brasil. Com foco no autoconhecimento, a escritora busca em suas histórias a identificação dos personagens com os leitores e os leva a refletir sobre suas condutas visando o despertar de virtudes na consciência.

 

PINTANDO, CORTANDO E CRIANDO


Trim, trim, trim, trim, marca o horário de término das aulas e início do período livre na escola onde estuda Bruno.


O que será que as crianças vão escolher fazer?


A maioria, pôs-se a correr brincando de pique-pega, mas Bruno decidiu permanecer na sala de artes praticando a arte tradicional e secular japonesa chamada Origami.


Dobrando o papel, a imaginação do menino ganha vida. Seres e objetos são criados a partir das dobras geométricas de uma peça de papel. Essa é a maior distração que Bruno pode ter.

Feliz é o dia da semana onde acontece a aula de artes, não só pela oportunidade de praticar dobradura, mas também, porque o menino poderá aprimorar o desenho, a pintura, o recorte e a colagem.


Os pais já haviam percebido a habilidade do filho com as mãos, por isso, não o presenteavam mais com super-heróis prontos, deixavam-no livre para criá-los a partir do papel.


Cuidadosamente, Bruno desenhava seus super-heróis favoritos, entretanto, criava os modelos de roupas e tipos de cabelo diferentes para cada um deles, a fim de que pudesse compor os personagens cada vez mais criativos e diversificados.


Logo, as experiências artísticas de Bruno passaram a ser testadas nele mesmo.


Observando suas mãos enquanto desenhava na folha de papel, percebeu que sua pele poderia ser tela para diversas pinturas e começou a praticar seus desenhos pelos braços, tronco e pernas, utilizando canetinhas.


— Quando crescer vou ter muitas tatuagens coloridas — desejava o menino colorista.

Em casa, após o banho, Bruno observou-se no espelho e concluiu:


— Acho que se eu cortar a franja do meu cabelo vou ficar com uma aparência mais bonita.

Rip! Fez a tesoura quando Bruno tomou a decisão de se embelezar.


Ao adentrar a sala, o pai, sentado no sofá, percebeu a mudança na aparência do filho e se admirou:


— Gostei do corte de seu cabelo, ficou muito bonito em você. Faz em mim também? — propôs o genitor, buscando incentivar o dom do filho.


Naquela tarde, Bruno sentiu a felicidade plena pela primeira vez, ao cortar o cabelo de seu pai, apesar de reconhecer que as técnicas para se profissionalizar ainda precisavam ser estudadas.


Homenagem a Bruno Santana

Instagram: @nobru.santana


 


42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

header.all-comments


bottom of page