top of page

BECO DOS POETAS Nº 61 — 13/06/2024

Grandes textos, grandes poesias! Leiam, comentem, compartilhem!


Imagem criado com IA Midjourney
 

AUTOR LUIZ PRIMATI


LUIZ PRIMATI é escritor de vários gêneros literários, no entanto, seu primeiro livro foi infantil: "REVOLUÇÃO NA MATA", publicado pela Amazon/2018. Depois escreveu romances, crônicas e contos. Hoje é editor na Valleti Books. Em março lançou seu livro de Prosas Poéticas, "Melancolias Outonais" e o romance de suspense "Peter manda lembranças do paraíso" estará disponível em julho de 2024.

 

FENDA DO PASSADO

Na fenda estreita da janela do meu quarto, observo o pulsar do centro da cidade. Carros e motos rasgam o asfalto, numa dança frenética e sem fim. A luz pálida do outono banha os telhados rubros das casas, pintando um retrato de uma tranquilidade enganosa.

No entanto, por trás dessa aparente normalidade, meu coração se enche de uma tristeza densa e profunda. A melancolia do outono sempre me toma, pois ele é o prenúncio de um adeus. As folhas, outrora vibrantes, são arrancadas das árvores pelo sopro impiedoso do vento. Os galhos despidos esboçam um desenho aterrorizante no céu cinzento. Os pássaros, estremecendo no ar gélido, cantam menos, escondendo-se na nudez das árvores.

Perdido em meus pensamentos, imagino essa mesma paisagem, uns anos à frente. As casas de telhados rubros darão lugar a gigantes de vidro e aço, arranha-céus que rasgarão o céu. O ar, outrora puro, estará carregado com o peso do carbono, um lembrete cruel do nosso progresso insensível. As árvores, testemunhas silenciosas da nossa história, serão substituídas por bancos de concreto, frios e impessoais.

A mudança é inevitável, eu sei. Mas esta sociedade de relações efêmeras e descartáveis, de amizades tão líquidas quanto um rio que carrega dejetos, não é o legado que sonhei para os meus descendentes.

Num futuro não muito distante, temo que a essência da minha vida se desvaneça, sendo substituída por uma modernidade impiedosa que, em sua marcha incessante, nunca retrocede, nunca cansa de enterrar os sentimentos humanos sob o peso do progresso. Uma modernidade que, como o outono, traz consigo a promessa de um adeus.


 

AUTORA STELLA_GASPAR


STELLA GASPAR é natural de João Pessoa - Paraíba. Pedagoga. Professora adjunta da Universidade Federal da Paraíba do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia. Mestre em Educação. Doutora em Educação. Pós-doutorado em Educação. Escritora e poetisa. Autora do livro “Um amor em poesias como uma Flor de Lótus”. Autora de livros Técnicos e Didáticos na área das Ciências Humanas. Coautora de várias Antologias. Colunista do Blog da Editora Valleti Books. Colunista da Revista Internacional The Bard. Apaixonada pelas letras e livros encontrou na poesia uma forma de expressar sentimentos. A força do amor e as flores são suas grandes inspirações.

 

EU FUI...


Um dia, vi a beleza de um país rodeado por montanhas

Parecia que nada imperfeito existia

Sonhei tanto... eternizei aquela declaração de amor visual

Em meus olhos, guardando tudo

Que imagem deslumbrante

Tantas belas provocações

Eu só agradecia, ao lado de uma companhia amante.

Tão serena estava, na alegria das horas em viagens

E lá estavam elas: as montanhas tão profundamente espetaculares.


Uma leve sensação de conquista

De olhos fechados, escutava a melodia de nossas almas

Mas de volta ao real, meus sentimentos foram algemados

Sentia frio e dor, medo e desilusão

E perguntava: onde está o amor que me levou ao infinito

Das montanhas, que longe estavam

Mas nascendo para nós dois em formosuras.


Fiquei sozinha e nua de poesia

O sonho das montanhas estava

Tão em mar uivante...

Naufragando, fiquei à deriva

Horas cruas, não tinha mais aqueles olhos verdes

Como a natureza das montanhas.


Fui sussurros e felicidades

Quanto mais eu gritava de amor

Mais as montanhas de mim se distanciavam

Lembranças agonizantes

O infinito sem limites

Na plenitude dos delírios

Nossos corpos tão afastados

A tua traição confessada;

Levou o meu amor

Para o vento brando das montanhas.


Afortunada sou

Despertando o meu futuro

Vale a pena

Voltar às montanhas,

Sem a cruel e espinhosa aventura

Quero outro amor, mansinho

Luzindo aos raios de sol, das divinas montanhas.


 

AUTORA MARINALVA ALMADA


MARINALVA ALMADA é diplomada em Letras Português/Literatura e com uma pós-graduação em Alfabetização e Letramento pelo CESC/UEMA, encontrei no ensino a oportunidade de semear conhecimento e despertar amor pelas palavras. Sou professora nas redes públicas municipal e estadual. Tenho como missão transformar vidas através da educação e da leitura literária. Deleito-me com a boa música, a poesia, a natureza, os livros e as flores, elementos que refletem em mim uma personalidade multifacetada. Escrevo regularmente no Recanto das Letras, participo com frequência de concursos literários, antologias e feiras literárias. Em 2023 realizei o sonho de publicar pela Valleti Books, o livro Versificando a vida, juntamente com as amigas Cláudia Lima e Zélia Oliveira.

 

A ESPERANÇA


Quem disse que a esperança morre?


Não, a esperança não morre,

Ela é imortal.


Todos os dias

tem um fio de esperança que renasce

no coração e na mente

Da gente.


 

AUTORA SIMONE GONÇALVES


SIMONE GONÇALVES, poetisa / escritora. Colaboradora no Blog da @valletibooks e presidente da Revista Cronópolis, sendo uma das organizadoras da Copa de Poesias. Lançou seu primeiro livro nesse ano de 2022: POESIAS AO LUAR - Confissões para a lua.

 

PAIXÕES PROIBIDAS


No meio da multidão

Olhares se cruzam

E logo sentimos um pulsar diferente

De nossos corações que disparam

Sob a magia de um desejo inesperado

Entre sorrisos tímidos e, ao mesmo tempo,

convidativos para sairmos daquela agitação

e encontrarmos um canto só para nós

Não queremos saber de nada naquele momento

Nada nos importa como algo proibido

Apenas damos espaço para o lance acontecer

No toque das mãos e na pegada quente

Tudo é permitido entre beijos ardentes

Rodeados pelo céu banhado de estrelas

E assim nos entregamos a uma ardente paixão

Onde nada nos lembra da nossa vida comprometida

Cada qual com destinos diferentes

Que sempre nos levam à morada certa

Para o compromisso assumido num altar

Mas que em momentos de descontração

Permitem que a paixão encontre outros caminhos

Com direções que façam encontrar novos amores

Deixando a emoção do perigo dominar

As tentações que se despertam

Em novos olhares

Novas bocas

Outras camas

Que fazem acontecer numa chama ardente

Os encontros dos corpos sedentos de paixão


 

AUTOR SIDNEI CAPELLA


SIDNEI CAPELLA, natural e residente em São Caetano do Sul — São Paulo. Escreve textos poéticos, contos e mensagens, participou de algumas antologias. Grande parte dos seus textos são publicados na página do Instagram que administra. Utiliza a frase criada por ele: “Inspiração me leva a escrever sobre tudo, a inspiração vem de Deus, escrevo para o meu próximo, de modo a despertar sentimentos e mexer com suas emoções.”

 

ALEGRIA D'ALMA


A folhagem da árvore que balança.

No vento refrescante traz a calma.

Da divina alegria que alcança.

Sintoniza o sorriso na velha alma.

 

E reflete no material a linda dança.

Que brilha cintilante e forma a áurea…

No jato de luz do universo que lança.

Atrai o brilho da luz na nova láurea…

 

Causa ao ser e ao redor a euforia…

Largo o sorriso de contentamento!

E no ambiente com tamanha alegria…

 

Alcança a felicidade da memória;

vertendo a energia para fora;

no momento de êxtase da vitória.


 

AUTORA LUCÉLIA SANTOS


LUCÉLIA SANTOS, natural de Itabuna-Bahia, escritora, poetisa, cronista e contista e antologista. Escreve desde os 13 anos. É autora do livro "O Amor vai te abraçar" e coautora em diversas coletâneas poéticas. Seu ponto forte na escrita é falar de amor e escreve poemas e minicontos infantis.

 

DA MINHA JANELA


Quando abro as cortinas

Invade a luz de um novo dia

E imagino como ele será

Até chegar a longa noite sombria


Intrigantes são os passarinhos

Tanta alegria transmitem ao cantar

E as rosas ainda que com espinhos

Deslumbrantes as mulheres ficam ao ganhar.


Vejo cães que moram na rua

Felizes brincam rolando na areia

E esta tristeza que é minha e sua

Só nos permite ver a grama verde da vida alheia


Aquele casal, estão agora no portão

Ele a beija demoradamente e se despede para trabalhar

Se na vida sentimos rejeição

Coisas assim nos põe a chorar


Uma idosa voltando da padaria

Olha para mim e lindamente sorri

Suspiro forte e demonstro alegria

O coração dela notou que eu estava ali


Aquela garota indo para a escola

A tristeza pesa os seus ombros

O seu pai querido foi embora..

Ela tenta recomeçar seus sonhos


E uma gestante da próxima rua

Deu a luz a um bebê

E ela se foi após tanta luta

Minutos após ele nascer


Aqui da minha grande janela

Tantas coisas consigo observar e sentir

E meu dia para ser sincera

Está sim, sorrindo para mim


Assim dou uma voltinha dentro de casa

E enxergo tantas bênçãos que tenho

E com gratidão subo as escadas

E para um lindo dia me empenho.


 

AUTOR WAGNER PLANAS


WAGNER PLANAS é nascido em 28 de maio de 1972, na Capital Paulista, estado de São Paulo, Membro da A.I.S.L.A — Academia Internacional Sênior de Letras e Artes entre outras academias brasileiras. Membro imortal da ALALS – Academia Letras Arttes Luso-Suiça com sede em Genebra. Eleito Membro Polimata 2023 da Editora Filos; Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Mairinque pelo vereador Edicarlos da Padaria. Certificado do presidente da Câmara Municipal do  Oliveira de Azemeis de Portugal. Autor de mais de 120 livros entre diversos temas literários, além de ser participante de 165 Antologias através de seu nome ou de seus heterônimos.

 

921...


Corpo fica, mente vai,

Corpo presente, a mente sai,

A imaginação é fértil,

O desejo é febril,

Seu corpo me atrai.


Uma paixão fulminante,

Um desejo alucinante,

Que embala a alma,

Que me tira a calma,

Mulher provocante.


E neste mundo,

Homens amam a fundo,

De modo destemido,

Desejos reprimidos,

Não me importo ser o segundo.


Se no final da vida,

Minha alma for acolhida,

Em seus carinhos,

Cruzando nossos caminhos,

A distância, não será uma ferida.

 

 

AUTORA LILA LEITE


ELIANA ROCHA, da cidade de Brumado, interior da Bahia. Licenciada em Letras Vernáculas pela UNEB - Universidade do Estado da Bahia; Pós graduada em Psicopedagogia, pela FACINTER -  Faculdade Internacional de Curitiba. Professora aposentada, atualmente Coordenadora da Escola Particular "O Pequeno Príncipe" - Brumado.

 

O OLHAR DE UMA CORUJA: LIBERDADE OU OPRESSÃO?


Todos os dias, observo uma coruja

Com um olhar intenso e inspirador

Traz em si uma beleza exuberante

Olhos vivos e desafiantes

De quem é vítima ou predador


Alguns dizem que traz má sorte

Que é sinal de má agouro e perseguição

Que seu canto é aviso de morte

Ou de uma grande aflição


Outros a vê como inspiração

De sabedoria e verdade

Asas prontas pra voar

À procura de um lugar

Onde tenha paz e liberdade


Afinal, qual o mistério da coruja

Com seu olhar tão ansioso

Será de pavor ou algo igual

Ou é um olhar normal

De um pássaro livre e amistoso.  

 

AUTOR JOSÉ JUCKA SOULZ


JOSÉ JUCA P SOUZA, professor, ator, psicopedagogo, analista de sistema, ambos por formação acadêmica… Desde pequeno imbuído nas artes, com o desenho. Como profissional, agente administrativo no Ministério da Agricultura, técnico em edificações na Companhia Energética de Brasília. Assim segue, vendedor de tudo na infância (“triste realidade”), almoxarife, gerente lojista… Em seguida, veio o teatro, com poucas temporadas, lecionou artes na escola pública do DF, estando até hoje, trabalhando com informática, afastado de sala de aula… Embora escreva desde criança, com textos engavetados… Se reconhece poeta em um concurso para novos poetas, em 2019, classificado e publicado em uma determinada editora. Hoje providencia seu primeiro livro.

 

CÔNSCIO DA DOR


Obscurece a alma

De uma palavra que não exala

torpe é a dor que não cala

a dialogar com a mente embrutecida

para um ser que emudece plenitude

de uma apatia que o significa

uma alma egocêntrica e vil

rude a velar cegueira inconteste

palavras a ruminar ao vento

a brotar fendas ante essa superfície

brotando sulcos de rios magenta sem sutura

há corroer alma que fulgura

sonhos que resplandecem sob alvoreceres

sob céus cintilantes de amor

acamado em arco-íris de frescor e sabor

suave terno e cônscio de contrição


 

AUTORA GABRIELY BRANDÃO


GABRIELY BRANDÃO RAMOS, 28 anos, nascida em Itaguaí – Rio de Janeiro. Técnica em mecânica, poeta, participou da sétima e oitava edição da coletânea de jovens poetas na cidade de Itaguaí. Viu na escrita uma forma de expressão da arte e cultura. Escritora na antologia suspiros poéticos.

 

FALANDO DE AMOR


O amor é uma palavra muito difícil

de se entender.... Ás vezes significa muito,

Ás vez significa nada. Amor é carinho, compreensão, sinceridade, seriedade e troca de olhares... O amor não é falsidade ,nem traição... Resumindo...O amor não se resume. O amor não é tudo, mas tudo que se faz tem de ter amor. Quando penso na palavra AMOR,

Fico a imaginar... Tão grande amor o CRIADOR teve ao criar,

Um dos maiores milagres:

A VIDA!


 

AUTORA ARELLY SOARES REIS


ARELLY SOARES REIS nasceu em Caxias, Maranhão, e é uma talentosa profissional da língua: professora de Língua Portuguesa e Inglesa, além de suas respectivas literaturas, escritora, revisora textual e tradutora (Inglês - Português). Com um talento para a escrita que emergiu aos 11 anos, Arely recorda: "bastou tocar na caneta e no papel, já nascia ali uma poesia". Autointitulada "Poetisa da Noite", ela revela: "achava que a madrugada fosse feita para dormir, me enganei. Nela escrevo à beira dos meus sonhos, até agarrar no sono". Arely é uma leitora ávida, apaixonada por romances e poesias, e tem uma sede insaciável por novas experiências culturais, seja conhecendo pessoas, lugares, artes ou músicas. Ela se descreve como um ser humano pleno de fé, amor e esperança. Seu trabalho literário inclui participações em diversas antologias e revistas, como "Um Grito A Cor da Pele" (Editora Brunsmarck), "Ser Tons - Tons do Nordeste" (Ed-In Vitro), "Revista Entre Versos" (1ª e 2ª edições, Diego Maltz), "The Bard" (com publicações em mais de quatro edições, J. B Wolf) e a antologia "Coletivo Nua Palavra". Além disso, Arely tem presença ativa em podcasts e canais literários no YouTube.

 

 

LUA


Escondi-me

Profusas noites,

Abdiquei de ser lua,

Luminária,

Vista rebuçada,

Ainda que

Com desejo de

Ser Acessa,

Fugi da noite

Mas de

Claras pernoites

Que existo

Sobrevivo!

Adormeci,

Pra um estado

Minguante,

Lua em quarto

Trancado me fiz,

Decadência,

No céu

Sabe lá

Quem mirou olhar

E me distinguiu!

Tentando ser

Valor noturno

Num escarcéu,

Pintada a pincel

Num mover

Incandescente,

Lua nova

Me tornei,

Rodeando as trevas

Fulgor

Contornei.

Lua cheia

De Amor

De Força

Vezes um sonho

Inconsciente

Movi-me

Para viver de fases,

Sou Lua

crescente!


 

AUTORA ZÉLIA OLIVEIRA


ZÉLIA OLIVEIRA é natural de Fortuna/MA, reside em Caxias-MA, desde os 6 anos. É escritora, poetisa, antologista. Pós-graduada em Língua Portuguesa, pela Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. Professora da rede pública municipal e estadual. Membro Imortal da Academia Interamericana de Escritores (cadeira 12, patronesse Jane Austen). No coração de Zélia, a poesia ocupa um lugar especial, gosta de escrever, afinal, a poesia traz leveza à vida. Publica no Recanto das Letras, participa com frequência de antologias poéticas, coletâneas, feiras e eventos literários. É organizadora e coautora do livro inspirador "Poetizando na Escola Raimunda Barbosa". Coautora do livro “Versificando a Vida”.

 

ENCONTRO


Contando as horas e minutos

Para nosso encontro,

Mas o relógio parece não colaborar,

As horas demoram passar

E esse desejo começa a sufocar.


Enfim, eis o tão esperado momento,

Você aparece sorrateiramente

E meu coração acelera subitamente.

Meus olhos contemplam teus olhos,

Meus lábios desejam a suavidade de teus beijos.


Embriaga-me com teu perfume

E a ternura de teu olhar.

Ah, se eu pudesse o tempo parar

E esse momento eternizar...


Teus beijos despertam em mim

Sentimentos adormecidos,

O coração há anos na sonolência,

Agora, vive na dependência

Do teu afeto.

Quando não está perto

Reclama tua ausência...


 

Quais foram as poesias de que mais gostou? (assinale quantas quiser)

  • 0%FENDA DO PASSADO (LUIZ PRIMATI)

  • 0%EU FUI... (STELLA GASPAR)

  • 0%A ESPERANÇA (MARINALVA ALMADA)

  • 0%PAIXÕES PROIBIDAS (SIMONE GONÇALVES)

You can vote for more than one answer.


94 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

2 comentarios


Uma doçura para os olhos da alma e do coração! 😍

Me gusta

Esse beco cada vez mais recheados de poetas! Quanta beleza no ar! 😊

Me gusta
bottom of page